Amanhã termina o mandato do prefeito Guima (PRP), iniciado em 2013. Fazer uma avaliação de um governo não é tarefa fácil. Em 2013, quando assumiu, começou com consequências de chuvas ocorridas no final de 2012, mais especificamente na noite do dia 16 de novembro, quando um grande volume de água arrasou a região do pátio da secretaria de obras e várias residências no entorno, arrastando inclusive veículos a centenas de metros de distância (na foto, veículo da prefeitura foi arrastado do pátio da secretaria de obras até a rodovia).

O final do ano de 2013 foi ainda pior, talvez na pior chuva da história de Pancas e do Espírito Santo. Foram duas semanas de chuvas fortes, dia após dia, que deixaram Pancas ilhada com o rompimento da estrada próximo ao Frechiani (foto) e as constantes quedas de barreira em Vila Verde. Depois, em 2014/15/16 pancas sofreu com uma forte seca, que reduziu a produção de café drasticamente, influenciando diretamente na economia local. 
Além desses fatores climáticos, há instalada no Brasil uma grande crise política, que é destaque nacional até hoje especialmente com a Operação Lava Jato. "A fonte secou", como diz o ditado, e os municípios pequenos como Pancas sofrem mais porque perdem grande parte do seu orçamento oriundo de repasses do Governo Federal. Estima-se que, em quatro anos, Pancas perdeu mais de R$ 20 milhões. É muito dinheiro para uma cidade de 23 mil habitantes.

Mesmo com todo esse cenário desfavorável, o índice de pessoas que criticam o governo Guima (foto) é alto. Certamente não foi um governo perfeito, mas é preciso reconhecer que coisas boas foram feitas ao longo desses quatro anos. Muita coisa também deixou a desejar, coisas muitas vezes elementares, como a constante limpeza das ruas. Um dos agravantes para tantas reclamações talvez tenha sido o reflexo da obra da Cesan, feita pela empresa Samon, que arrasou com as ruas da sede. Arrasou mesmo: até hoje quem passa pelas ruas de Pancas imagina estar em uma estrada completamente esburacada e desnivelada. Ficou a sensação de que o município poderia intervir de alguma forma na qualidade do serviço.
Há também outros motivos que levam as pessoas a ter uma impressão negativa do governo Guima. Porém o foco dessa matéria, hoje, é tentar relembrar pontos positivos que aconteceram nos últimos quatro anos. 

O AmoPancas fez um levantamento de alguns aspectos relevantes, que serão mencionados abaixo.

Em Vila Verde, a prefeitura realizou o calçamento de diversas ruas e fez uma sonhada ponte que dá acesso aos córregos Pião e Boa Vista. Na área esportiva, foi feito o alambrado do campo de futebol do distrito e a reforma do gramado. Foi também construído o muro do cemitério e a reforma do Posto após a enchente de 2013.
Em Laginha também foi feito calçamento do bairro novo da entrada do distrito, em uma obra de quase R$ 1,4 milhão. Também foi construído o muro do cemitério, reformada elétrica do posto de Saúde, perfuração de poços na época da seca.

Na Sede, foi feita a conclusão do calçamento do bairro Nilton Sá, uma obra de R$ 1,4 milhão do governo do Estado e R$ 372 mil da prefeitura, totalizando quase R$ 2 milhões. Foi feito o calçamento da rua Dr. Esmeraldo no bairro Nossa Senhora das Graças, calçamento da "Rua da Lama" (foto), ponte do bairro Sebastião Furtado. Na área esportiva foi feita a construção do campo Bom de Bola, no córrego São Pedro, troca do gramado do campo do Bairro Operário, construção de academia ao ar livre próxima ao ginásio. Na área da saúde foram feitas reforma de laboratórios,  ampliação do posto de saúde Vila Nova, construção do novo posto de saúde do Centro, próximo ao fórum.
Além dessas obras foi reformada a secretaria de Assistência Social, revitalizada a iluminação pública da avenida 13 de maio, construída estação de transbordo, reformada a escola Oraide Gomes de Miranda, investido mais de R$ 500 mil no curso pró-jovem, ônibus gratuito para levar alunos para o curso técnico em Colatina por um ano. Foi feito também construção do PAS (Córrego Icaraí), barragens para contenção de água, reforma de mais de 20 pontes de madeira e construção de 16 pontes de trilho.  
AQUISIÇÕES
Ao longo do mandato, a prefeitura fez aquisição de diversos veículos e equipamentos. Dentre eles, se destacam:
2 máquinas PAC 2 1 motoniveladora1 retroescavadeira1 pick up 1 carro 7 lugares 3 ambulâncias1 caminhão caçamba 1 caminhão baú 2 ônibus escolares 2 motos 3 ônibus ruraisAquisição de R$ 100 mil em manilhas 1 caminhão pipa1 gerador elétrico para o hospital 1 desfribilador para o hospital Equipamentos para laboratório Moveis, equipamentos,  eletrodoméstico, carteiras escolares.Pranchões para pontes
Servidores
Talvez seja esta uma classe de trabalhadores que menos tem a reclamar do governo Guima. Mesmo com tamanha crise financeira, nos três primeiros anos de mandato os servidores receberam 24,16% de reajuste. Nos oito anos anteriores o reajuste recebido foi de 30,24%. Guima também igualou a diária a todos os servidores. Além dos aumentos, houve concurso público para efetivação de vários funcionários.
REPASSES
A prefeitura fez repasses para diversas associações. Os repasses feitos, por exemplo, para o Hospital, foram de mais de R$ 5,5 milhões. Nos quatro anos também foram repassadas subvenções para outras entidades, como:
Sociedade Pestalozzi de Pancas – R$ 333.000,00Cáritas Diocesana de Colatina – Obra Social Santa Luzia. R$ 556.000,00Fundação Presbiteriana Educacional e Assistencial Reverendo Gedeon José Lindório – FUNGEL – R$ 283.000,00ACESA – R$ 40.000,00Associação Albergue Martinho Lutero – R$ 60.000,00Associação Ministério Valorizando Vidas – R$ 51.000,00
CONTRIBUIÇÕES  
Associação dos Acadêmicos de Pancas – R$ 610.000,00Clube de Esportes Radicais – CERP – R$ 63.000,00CIM NOROESTE – R$ 420.000,00Associação Pomerana de Pancas – R$ 134.000,00Agência de Desenvolvimento Regional – ADR – R$ 160.000,00Empreendedores Ambientais de Pancas – R$ 58.474,00
O total de subvenções e contribuições foi de R$ 2,7 milhões.
Outras ações
Aconteceram também durante os quatro anos aulas de balé, teatro, música, karatê, capoeira e outras atividades, sempre de forma gratuita para a comunidade. Foram também realizados campeonatos e torneios. Em horas de máquina para atender os produtores rurais com demanda após os desastres provocados pelas chuvas foram gastos R$ 810 mil. Também foi feita a implantação do CREAS, capacitação do CRAAS, campanhas de outubro rosa, novembro azul, semana do bebê, entre outros. 
Resumo
Dar uma nota para uma gestão não é tarefa fácil. Cuidar de um município do tamanho de Pancas com pouco recurso não é tarefa fácil. É preciso avaliar muita coisa e, também, saber separar o fato do boato. Muitas conversas distorcidas são divulgadas em todos os governos, seja do Guima, que está acabando amanhã, e certamente do Dr. Sidiclei (PDT), que começará depois de amanhã. Há sempre quem lance a discórdia no ar. 
O AmoPancas não dará uma nota ao Governo Guima. Só deixa uma avaliação de que a sociedade precisa ser mais ouvida e ter uma participação direta nas decisões importantes do poder público. Com a participação da sociedade organizada, como um conselho, o município pode tomar decisões importantes e, mesmo as decisões que não forem favoráveis, serão justificadas antes de se tornarem falsos boatos. Muitas cabeças pensam melhor do que poucas. É preciso também que servidores busquem soluções e não se acomodem apenas em dizer que isso ou aquilo não tem jeito de fazer porque a lei não permite ou porque é muito difícil de se conseguir ou executar. E que o novo prefeito monte sua equipe e tenha coragem para repor peças caso seu esquadrão não seja produtivo. O município agradece. Feliz 2017.
Comentários do Facebook